A Internacional

__ dementesim . . Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. . _____ . Quem luta pelo comunismo Deve saber lutar e não lutar, Dizer a verdade e não dizer a verdade, Prestar serviços e recusar serviços, Ter fé e não ter fé, Expor-se ao perigo e evitá-lo, Ser reconhecido e não ser reconhecido. Quem luta pelo comunismo . . Só tem uma verdade: A de lutar pelo comunismo. . . Bertold Brecht

quarta-feira, abril 14, 2010

A maior crise da Igreja Católica dos últimos 100 anos

Click here to find 
out more!
 Monumento a João Paulo II - Foto Gaspar de Jesus no Blog Arte Fotográfica

Análise

A maior crise da Igreja Católica dos últimos 100 anos

Público - 27.03.2010 - 21:03 Por António Marujo

A Igreja Católica atravessa a mais profunda crise do último século. Para encontrar algo de dimensão semelhante, devemos recuar até ao início do século XX, com o anti-modernismo do Papa Pio X. Ou antes, a 1870 e ao Concílio Vaticano I, com o dogma da infalibilidade papal, o cisma dos velho-católicos e o fim dos Estados Pontifícios. Há uma diferença: esta crise atinge um catolicismo universal, ao contrário do de há um século, quando ainda era uma realidade pouco mais que europeia.
Será um Papa ferido o que vem a 
Portugal 
Será um Papa ferido o que vem a Portugal (Tony Gentile/Reuters)
Há várias questões à volta deste tema que, de repente, coloca um Papa académico perante um dos mais graves problemas pastorais da Igreja. Será ele capaz de afrontar o problema com a coragem necessária?

Ratzinger é um teólogo notável no diálogo cultural, mesmo com filósofos não-crentes como Jürgen Habermas ou Paolo Flores d’Arcais (como se pode perceber em Existe Deus?, editado na Pedra Angular). Eleito para um pontificado de transição, cuja marca seria afirmar a importância do facto cristão no diálogo multicultural contemporâneo, Bento XVI tem o desafio de “limpar a Igreja” da sua sujidade, como ele próprio afirmou na Via-Sacra de Sexta-Feira Santa de 2005, poucos dias antes da morte de João Paulo II.

1. Esta crise, como diz o étimo da palavra, pode ser uma oportunidade de mudança. A começar pela relação entre catolicismo e sexualidade – que o teólogo Hans Küng definiu como uma “relação crispada”. Não para dizer que o celibato é a causa da pedofilia. O celibato como opção voluntária pode ser dedicação extraordinária a uma comunidade. Como disciplina obrigatória (com excepções nas Igrejas Católicas orientais ligadas a Roma e, agora, com os anglicanos que decidiram aderir ao catolicismo), poderá ser revisto.

É certo que a esmagadora maioria de casos de abusos acontece com pais e familiares próximos das crianças. Como escrevia o Papa na carta aos católicos irlandeses, a pedofilia não é um problema que se restringe aquele país nem à Igreja Católica. Bem pelo contrário. Mas encarar a questão da sexualidade significa afrontar, desde logo, a formação nos seminários, tantas vezes castradora de afectos. E que é uma das causas profundas da pedofilia entre membros do clero.

A Igreja tem, na sua base bíblica e evangélica, uma fonte harmónica e integral que séculos de moralismo esconderam. Ao contrário do que diz Saramago, a Bíblia não é um manual de maus costumes. Mas, ao contrário do que pensam e dizem muitos católicos, ela tão pouco é um manual de bons costumes. A Bíblia é sobretudo uma proposta de relação – do ser humano com Deus e entre os seres humanos como imagem de Deus.

Aqui reside uma primeira dificuldade no exercício que a Igreja terá de fazer: muitos responsáveis católicos insistem numa abordagem dualista, legalista e pecaminosa (numa perspectiva greco-romana) da sexualidade. E que tem sido geradora de hipocrisias.

2. A crispada relação com a sexualidade reflecte-se também no modo como a doutrina católica olha a contracepção – e o preservativo, nomeadamente. Há quatro décadas, a encíclica Humanae Vitae interditou os métodos “artificiais” de planeamento familiar, apenas porque alguns cardeais da Cúria Romana não aceitavam a mudança doutrinal proposta por uma vasta comissão de médicos, teólogos e casais.

Se o Papa Paulo VI (que encarava a possibilidade de mudar a posição oficial) não tivesse cedido à pressão da Cúria, o preservativo não seria hoje um tabu doutrinal (mesmo se distribuído aos milhares por freiras e padres comprometidos na luta contra a sida, por exemplo). E o catolicismo das últimas décadas teria sido bem diferente.

Esta relação difícil do catolicismo oficial com a sexualidade tem manifestações visíveis como os abusos sexuais cometidos por padres sobre religiosas, em África, conhecidos há uma década; ou o padre mexicano Marcial Maciel, fundador dos Legionários de Cristo, de quem se sabe que teve filhos de várias mulheres às quais ocultava a sua identidade, foi pedófilo, incestuoso e toxicodependente.

A instituição por ele fundada é exemplo dos grupos católicos que hoje, na Igreja, insistem na perspectiva moralista e para os quais a vida só importa quando se fala de aborto, preservativo ou homossexualidade.

Não é de estranhar que mais se condene quem mais moralismo apregoa e acaba por ter tantos pecados (ou crimes) no seu interior. Com uma agravante: as pessoas que confiavam os seus filhos a responsáveis da Igreja eram, em grande parte, membros da própria comunidade cristã. Para elas, o sentimento de terem sido traídas por aqueles em quem confiavam é esmagador.

3. A acusação de encobrimento atinge agora o próprio Papa. Na carta que escreveu aos irlandeses, há oito dias, Bento XVI acusa vários bispos de terem falhado “por vezes gravemente”. Seria estranho que o Papa tivesse escrito o que escreveu, se tivesse telhados de vidro. De outra forma, estaria agora sob escrutínio e sem autoridade perante os seus “irmãos bispos”.

Pode haver aqui duas coisas diferentes. Como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), Joseph Ratzinger conhecia, obviamente, vários casos. Mas pode ser forçado dizer que os encobriu. O mais emblemático, noticiado pelo “New York Times” esta semana, revela que nem os poderes públicos agiram sobre o padre que abusou de 200 crianças – tal como aconteceu na Irlanda. E que Ratzinger só conheceu duas décadas depois dos factos.

O célebre documento de 1962 (que Ratzinger, então um padre com 35 anos, não escreveu, ao contrário do que muita ignorância afirma por aí), que defendia o secretismo, foi depois substituído em 2001, não para prosseguir a mesma orientação, mas para dar um passo em frente: o de obrigar os bispos a comunicar os casos de pedofilia ao Vaticano. Só nessa ocasião Ratzinger e a CDF passam a tomar conta destes casos, quando a questão já era um escândalo nos Estados Unidos (dois anos depois, João Paulo II chamaria vários bispos dos EUA para enfrentar a crise, pela primeira vez, de forma dramática). Só o total esclarecimento do papel do Papa em cada caso poderá aclarar de vez a sua quota-parte de responsabilidade – isso mesmo já foi pedido há dias pelo “National Catholic Repórter”.

4. O encobrimento e a tolerância social da pedofilia era a atitude normal até há três ou quatro décadas – o caso Polanski reapareceu a recordá-lo.

Durante séculos, a Igreja Católica entendeu-se como sociedade perfeita, sem necessidade de instâncias civis: tinha os seus tribunais, as suas penas, chegou a ter as suas prisões.

Também sabemos que a comunicação social é mais severa com a Igreja Católica do que com outros. E desproporcional: dá-se sempre mais dimensão aos escândalos do que aos caminhos de solução ou aos resultados, omite-se que o fenómeno atinge uma pequeníssima minoria do clero (embora bastasse um caso para que fosse grave). Sabe-se que os números aparecidos na Alemanha nas últimas semanas são resultado do trabalho iniciado pela Conferência Episcopal quando surgiram os casos nos Estados Unidos – mas isto também quase não é dito.

Mas desde 1990 há uma avalanche de casos. O que se passou na Irlanda, que durou até há poucos anos, mostra que não se atalhou o problema logo que ele começou. Em 1993, os bispos do Canadá publicaram um extenso documento com uma reflexão profunda sobre o tema e propostas de solução – que tiveram sucesso. O caminho deveria ter sido seguido em outros países.

Por isso não se entende a lamentável e infeliz declaração do cardeal Saraiva Martins: a Igreja é pela “tolerância zero”, mas não lava a “roupa suja” em público. Há mais de 60 anos, o Papa Pio XII dizia que a opinião pública é “vital” para a Igreja. Entenda-se, portanto, que a lavagem de “roupa suja” em público mais não é que uma desafortunada expressão para referir o debate interno, que está na matriz genética do cristianismo. E foi pela falta de tolerância zero que se chegou aqui.

5. A mês e meio da viagem de Bento XVI a Portugal, percebe-se que a crise continuará a revelar mais casos. Como em todas as histórias, percebe-se que também há interessados em atingir a credibilidade da Igreja. Mas esta tem que ser a primeira a reflectir o porquê dessa aversão e a procurar razões no seu interior – uma atitude própria desta Semana Santa que os cristãos hoje começam a viver. O cerco à volta de Ratzinger também continuará. Será, por isso, um Papa ferido aquele que virá a Portugal. Talvez rodeado por grupos interessados prioritariamente em defender a instituição dos “ataques” – já correm textos nesse sentido na Internet, em blogues, em mails…

Convém não esquecer que foi a preocupação pela defesa da honra da instituição que levou ao actual estado de coisas. Só uma atitude purificadora e aberta à mudança permitirá à Igreja recuperar a credibilidade perdida nesta crise. Os cristãos chamam a esse acontecimento ressurreição. E celebram-na no próximo domingo.
 

URL desta Notícia

http://publico.pt/1429760

Comentário + votado

A IDOLATRIA E PEDÓFILIA RELIGIOSA É BEIJO DE JUDAS

FÁTIMA FAZ PARTE DO IMAGINÁRIO HUMANO RELIGIOSO DOUTRINÁRIO CULTURAL, ...

Comentários 1 a 10 de 40

  1. Nome , CIDADE DU BOCAGE. 30.03.2010 21:51

    A IDOLATRIA E PEDÓFILIA RELIGIOSA É BEIJO DE JUDAS

    FÁTIMA FAZ PARTE DO IMAGINÁRIO HUMANO RELIGIOSO DOUTRINÁRIO CULTURAL, DOGMÁTICO, IDÓLATRA, INQUISIDOR PAPAL TRADICIONAL, DA CONSCIÊNCIA E INTELIGÊNCIA INTELECTUAL E ESPÍRITUAL, QUE NÃO DÁ CERTO EM PORTUGAL, DAÍ TODA A TRAGÉDIA HISTÓRICA NACIONAL DE ATRAZO E ILECTERACIA INTELECTUAL E ESPÍRITUAL EM PORTUGAL, A IGNORÂNCIA BÍBLICA E RFELIGIOSA SOCIAL, DO CATACISMO ROMANO IDÓLATRA PAPAL, DE ALIENAÇÃO E MANIPULAÇÃO RELIGIOSA SOCIAL ACTUAL, COMO EMBUSTE, EMBRUTECIDO E IMPOSTOR PAPAL QUEREMOS A VERDADE BÍBLICA SEM O DOGMA IDÓLATRA PAPAL, O CRISTIANISMO BÍBLICO APOSTÓLICO, COMO DOUTRINA CRISTÂ ESPÍRITUAL. QUEREMOS A CRUZ VAZIA NA IGREJA, COMO A NOSSA PÁSCOA ESPÍRITUAL ACTUAL, PELA RESSURREIÇÃO DE JESUS, PAZ PARA O MUNDO, TOLERÂNCIA, E AMÔR FRATERNAL, SEM O DOGMA PAPAL...É NECESSÁRIO CONHECER A HISTÓRIA BÍBLICA E O INICIO DA DINASTIA DOGMÁTICA E IDÓLATRA DO CATOLOCISMO E CATECISMO ROMANO PAPAL, NA HISTÓRIA DEPORTUGAL;ACTUAL
  2. RAVIREI , SOL. 30.03.2010 16:07

    Salvar as reservas morais!

    A Igreja tem uma História de resistência imensa aos ataques que lhe são dirigidos. Sempre vimos a Igreja resistindo! Porém, não será por ataques que a Igreja cairá! A Igreja cairá pelo abandono,... e isso já está a acontecer. E o abandono da Igreja irá aumentando á medida que as reservas morais da humanidade forem despertando!
  3. ANTONIO , RIO TINTO. 30.03.2010 14:15

    A Pedofilia na IGREJA

    A Pedófilia vai continuar na Igreja. ..Acabará, quando forem autorizados a casar. Quando se vai para padre, por princípio não se gosta de mulheres...Está tudo dito nesta frase. Acabará quando só aceitarem para padres, quem realmente gosta de ""mulheres". Versus casamento. Só com o casamento é que se poderá banir em parte, a podridão Milenar...Sem medos.O Padre é um ser carna,l como qualquer um de nós. Por isso precisa de casamento, e constituir família. Só assim se banirá, em parte a nossa desconfiança.
  4. Emídio Cardoso , Vile. 30.03.2010 13:55

    A realidade da Igreja...

    Uma vez máis a Igreja Católica esta em crise.Ora para todos aqueles que mais ou menos conhecem um pouco da história da Igreja católica,isto nao é surpresa para ninguêm.A Igreja Católica sempre esteve rodeada de escandalos,provocados,pelos defeitos humanos dos seus, dirigentes,ditos ministros.Como é que se pode pregar uma moral e esconder realidades mundanas...totalmente ofensivas a essa moral?As eleiçoes dos papas sempre estiveram marcadas pelos desmedidos interesses pessoais dos candidatos.Pois esses cardeais,pessoas curtidas deveriam mostrar,outros sentimentos,a Deus e aos seus semelhantes.Nao pretendo salientar os escandalos sexuais,nos quais estiveram envolvidos;papas,bispos e padres...pois que o sexo faz parte dos seres vivos e negar-lo é um atentado á criaçao divina.O grande Cisma do ocidente...A Inquisiçao...Alexandre VI...Martinho Lutero...etc.A Igreja Católica sempre tentou tapar o Sol com a peneira,em favor dos seus interesses mundanos,de uma sociedade corrúpta.Nos nossos dias,a sociedade tornou-se materialista,em parte devido a este regabofe histórico desta organizaçao.Porquê esta organizaçao se afastou completamente dos ensinamentos de JESUS?O que é JESUS para a Igreja ...
  5. Albino , Portugal. 30.03.2010 13:01

    Coitadinhos

    Quer dizer, o Papa não presta, e os que dizem tal coisa querem provar que eles próprios é que são bons ?
  6. Nome , Localidade, País. 30.03.2010 12:57

    Título

    Texto
  7. Eduardo Bulhões , Localidade, País. 30.03.2010 12:43

    Até que enfim um texto equlibrado

    Finalmente li um texto que demonstra percepção. Sem dúvida é uma crise, mas a Igreja é essencialmente uma sobrevivente de crises. Desde a quinta feira Santa, quando os apostolos fugiram no Horto, a Igreja já vive em crises.
  8. Mário Santos Lopes , Bombarral. 30.03.2010 11:55

    Os cardeais não gostam do Ratzinger! Porquê será?

    Antigamente - eu lembro-me bem - quando terminava um concílio para eleger um Papa, saiam todos com caras de grande alegria, e fazia-se festa gritando "habemus papa"! No entanto, há pouco, quando foi eleito este último, este Ratzinger, todos saíram de caras muito sérias, sem manifestar nenhuma alegria. Deu-nos a impressão de que os cardeais elegeram este Ratzinger mas não gostaram nada de o eleger! Porquê será?
  9. Antonio , Rio Tinto. 30.03.2010 11:34

    Este Papa não presta.

    Este Papa não presta. Não se recomenda a ninguém. Pelo menos para representar a Igreja. Não tem nada de parecido com S. Pedro. É bom para os fanáticos católicos. E, sou católico Apostólico e Romano.
  10. ATILA , Lisboa, Portugal. 30.03.2010 11:25

    Título

    A Igreja católica ainda não saiu da impunidade do período dos Bórgias. Ouvi a entrevista no programa de Miguel S.Tavares a um dos bispos portugueses mais lúcidos, D. Januário Torgal, e fiquei estarrecido, este senhor afirmou ser contra o casamento dos padres porque assim estes poderíam abusar dos seus filhos !!! e o MST tão crítico e tão opinativo que é, ficou calado! seria do choque...O Pastor Alemão, actual Papa, encobriu o violador de 200 crianças só porque, coitado, estava a morrer... A igreja sempre teve um comportamento mafioso em relação aos seus, são intocáveis para a justiça humana. Quem se lembra do caso de Monsenhor Mancirus aquando do problema com o Banco Ambrosiano o qual meteu assassinatos a boa maneira de Chicago, e o que aconteceu ? S.S. João Paulo II devolveu-a à América longe da justiça europeia....Que aconteceu no Funchal com o célebre padre Frederico, o seu patrono Bispo do Funchal protegeu-o...,etc,.etc.etc. Deu se existe deve estar corado de vergonha com os seus representantes terrenos!!!
    .
    .

2 comentários:

Pierre disse...

Onde houver fumo há fogo! Ditado popular muito conhecido e totalmente real. Temos de ver e saber onde está o fogo que faz toda esta fumaceira. Assim é necessário que os católicos de Portugal e de todo o mundo retrocedam bastante no tempo...

Vamos ao tempo de Jesus Cristo, quando ele surgiu em Israel aos seus irmãos, em Roma havia o culto da virgem Ísis já há 200 anos! Roma que conquistou o Egipto, (aos gregos), absorveu ao seu vasto panteão de bonecos, (ídolos), chamados "deuses", adicionou a sua querida virgem, chamada "mãe de deus" ou a "rainha dos céus".

A veneração deste boneco era feita por homens e especialmente mulheres, (hoje chamam-se freiras), do qual o seu culto tinha algo muito peculiar e comum a ambos sacerdotes e sacerdotisas naquele tempo, que era o CELIBATO!

Engraçado que os registos históricos e epigráficos romanos que ainda hoje existem são de muitos homens e mulheres que se queixavam de tal acto de celibacia por parte de seus parceiros, pois mal o seu par se dedicava á boneca virgem Ísis, isso lhes era exigido, queixando-se então da "virgem" e aderiam então eles aos deuses que promoviam orgias e todo o tipo de promiscuidade, Satanás no seu melhor…

O resto da história sabe-se bem, quem vence escreve os acontecimentos e escolhe as circunstâncias em que são apresentadas. Milhares de Judeus e Gentios foram chacinados às mãos de Roma juntamente com os Apóstolos, até que absorveram a verdade ESPIRITUAL que os estava a destruir, na altura chamavam-lhe a doutrina do “carpinteiro Judeu”...

Pierre disse...

Por isso o Apostolo João escreveu em Apocalipse que Roma era a “misteriosa babilónia” mãe de toda a abominação e que dava o “vinho da fornicação” a beber a todas as nações, fornicando assim a verdade Espiritual de Deus com a mentira espiritual de Satanás! E hoje Roma tem uma igreja e uma face, mas basta vocês estudarem sobre a Babilónia e o Egipto e vejam as semelhanças. Façam Google á virgem Ísis ou á Semiramis e vejam as semelhanças.

Mas quanto ao celibato, o Deus Vivo das Escrituras diz que homem e mulher DEVEM-SE reproduzir e respeitar mutuamente, pois homem e mulher não são mais dois mas um só! Sexo! Deus criou o sexo para o homem usufruir dele e reproduzir, desde que não seja para escandalizar, separar, adulterar, prostituir, violar, sodomizar, etc.

Deus sabe muito bem que o homem e a mulher são seres sexuais, de tal ponto que avisa o seu povo e todos que lêem a sua palavra que não admite várias situações de incesto, bestialidade, (animais), adultério, homossexualidade, pedofilia, chamando a tais práticas “ERRO”! Para ver quão sério Deus se referia contra estas práticas, ordenou que fosse morto o que tal fizesse e se soubesse por via de duas ou mais testemunhas!

Mas graças a Deus que a partir de Cristo Jesus não se pratica mais matar os “deviantes”, mas também não se justificam estas práticas! Como diz no Apocalipse, quem é injusto o seja, quem é imundo o seja, quem é iníquo o seja e quem é justo o seja, pois no fim dos tempos, todos terão a sua recompensa!

De facto tão importante é o Sexo que Deus OBRIGA a Humanidade a ter sexo pelo menos uma vez na vida para se reproduzir e manter a espécie! Satanás é aquele que quer que todos vivam insatisfeitos e com isso, fazer o homem corromper-se a praticar tudo que hoje vemos em todo o mundo, especialmente pelos que promovem a insatisfação e o mesmo celibato…

Como disse Jesus Cristo meu Senhor: “Não julgues, pois com o mesmo peso com que julgas, serás julgado!” Amores desenganem-se, isto é a ponta do iceberg e a igreja católica vai acabar como está escrita acerca dela nas Escrituras que ela rejeitou! Mas não acreditem em mim, vejam com os vossos olhos no breve futuro como ela ruirá, pois com Deus não se brinca, amém. Aleluia!